Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Prà Vida Real

Blog de Ana Calha. Sobre Diálogo que nos aproxima. Uns dos outros.

Prà Vida Real

Blog de Ana Calha. Sobre Diálogo que nos aproxima. Uns dos outros.

Onde nos apoiarmos na corda bamba da Vida

Tightrope.jpg

 

Façamos um exercício de imaginação. Imaginemos um trapezista em ponto de equilíbrio na corda bamba.

 

Conseguimos sem dúvida visualizar a intensa ansiedade que sentiria ao saber que por baixo desta corda não terá mais nada para o apoiar do que um chão de cimento. E a diferença que seria, mesmo que com grande dificuldade, percorrer a mesma corda bamba com o apoio de uma rede onde cair.

 

Esta semana, numa sessão de Coaching Focado em Soluções, surgiu-me esta imagem. Ouvia e aprendia com a cliente à minha frente, naquele momento acabada de descobrir dentro de si uma porta para começar a conseguir estar mais à vontade para errar frente a outras pessoas. Seja no trabalho, em casa ou onde for. 

 

Ao observá-la na sua nova descoberta de hipóteses de soluções para o seu enorme impasse, pude também eu abrir portas desconhecidas para compreender melhor as pessoas. 

 

Desta vez, o que pude perceber é que, quando nos lançamos na corda bamba da vida para desafiar desejos de mudança que nos incomodam, se temos o chão pesado e violento de cimento dentro de nós que nos leva a sermos tão duros conosco quando erramos (caímos),  muito dificilmente qualquer pessoa terá vontade para voltar à corda. Certo? Não somos parvos. Não queremos sofrer. 

 

Mas, ao invés, se encontrarmos dentro de nós um pequeno começo de doçura (rede de apoio) que nos diz "levanta-te", "está tudo bem", "começa de novo", sem dúvida que tudo dentro de nós se volta a erguer para tentar de novo. E, melhor ainda, para encontrar novas soluções para mais uma tentativa. Parece lógico? Pessoalmente, pelo que vejo na minha vida pessoal e em toda uma cultura de culpablização e de uma exigência desmedida conosco próprios e com os outros, exige sem dúvida um esforço diário. Ou até segundo a segundo.

 

O que compreendi é que nada poderá mudar no medo e na ansiedade de errar que implica o contacto com os outros se não formos mais generosos com o erro. Onde caímos dentro de nós depois de uma tentativa mal conseguida faz TODA A DIFERENÇA. 

 

E melhor, mas muito melhor, ainda. Tanto ela como eu pudemos ver como esta mudança de atitude DE IMEDIATO a levou a ver soluções também para como ser menos dura com os que lhe são mais queridos e que há muito esperam uma reação menos agressiva aos seus próprios impasses. 

 

Obrigada por mais uma lição. Avançamos para a próxima....

Follow